Atuação da Equipe interdisciplinar junto a familiares e o paciente oncológico

Rosangela Estela Pratti da Silva, Ilda Cecília Moreira da Silva, Denise Celeste Godoy de Andrade Rodrigues

Resumo


O câncer é uma patologia que pode interferir de forma significativa na vida do sujeito e de seu familiar/cuidador. Neste contexto, surge o trabalho interprofissional, com destaque para a Psico-oncologia, uma área de interface entre a Psicologia e a Oncologia. O presente estudo busca analisar o papel da Psico-oncologia na trajetória do doente e de sua família no processo de adoecimento por câncer. Para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, por meio da busca ativa de informações em livros, revistas e artigos acadêmicos. A partir do levantamento da literatura revisada, destaca-se a atuação do psicólogo no cuidado oncológico se dá por meio do apoio psicossocial e psicoterapêutico através de grupos de apoios, acolhimento, assistência, escuta, entre outras práticas, visando propiciar um melhor enfrentamento da doença entre os envolvidos. De modo geral, pode-se inferir que a Psico-oncologia é uma ferramenta contemporânea e indispensável na promoção da qualidade de vida ao paciente com câncer, a sua família e à equipe que o acompanha.

Palavras-chave: Câncer, Família, Paciente, Psico-oncologia


Texto completo:

PDF

Referências


ACADEMIA NACIONAL DE CUIDADOS PALIATIVOS. Manual de Cuidados Paliativos. Rio de Janeiro: Diagraphic, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Ações Básicas de Saúde. Brasília: Conceitos e Definições em Saúde, 1977. Disponível em: . Acesso em 02 de set. 2021.

BRASIL. CFP. Conselho Federal de Psicologia. Resolução nº 013/2007. Institui a Consolidação das Resoluções relativas ao Título Profissional de Especialista em Psicologia e dispõe sobre normas e procedimentos para seu registro, 2007. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2008/08/Resolucao_CFP_nx_013-2007.pdf>. Acesso em 02 de set. 2021.

CAMPOS, E. M .P. A Psico-Oncologia: Uma nova visão do câncer- uma trajetória. São Paulo: Universidade de São Paulo. 2010.

COSTA, A. L. J. O desenvolvimento da psico-oncologia: implicações para a pesquisa e intervenção profissional em saúde. Psicol. cienc. prof. V..21, n.2, pp.36-43, 2001.

COSTA, F. F. L. Câncer Infantil: Sentimentos, Vivências e Saberes do Familiar/Cuidador. Campo Grande/MS: Universidade Católica dom Bosco. 2012.

DIAS, M. R; DURÀ, E. Territórios da Psicologia Oncológica. Climepsi Editores, 2001.

FAQUINELLO, P.; HIGARASHI, I. H. e MARCON, S. S. O atendimento humanizado em unidade pediátrica: percepção do acompanhante da criança hospitalizada. Revista Texto & contexto de enfermagem, vol.16, n.4, Florianópolis out./dez. 2007.

FOLLARI, R. Algumas considerações práticas sobre a interdisciplinaridade. In: JANTSCH, A. P.; BIANCHETTI, L. org. Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. 6ª Ed. Petrópolis: Editora Vozes; 2002. p. 97-110.

FROELICH, T. C. Psico-oncologia e terminalidade: casos em que o paciente é uma criança. Jornada de Pesquisa em Psicologia, UNISC. Santa Cruz do Sul. 2011.

GIMENES, M. G. Definição, foco de estudo e intervenção. In: CARVALHO, M.M.M.J. (Org.). Introdução à Psiconcologia. Campinas: Livro Pleno, 2003, p.35-36.

HERMAN, A. R. S; MIYAZAKI, M. C. O. S. Intervenção psicoeducacional em cuidador de criança com câncer: relato de caso. Revista Arquivos de Ciências da Saúde, p. 238-244, 2007.

INCA. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Hospital do Câncer I. Seção de Psicologia. Sofrimento psíquico do paciente oncológico: o que há de específio? Rio de Janeiro. 2014.

KOVÁCS, M. J. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992.

KUBLER-ROSS, E. Sobre a Morte e o Morrer. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

LIBERATO, R. P. e CARVALHO, V. A. Terapias integradas à oncologia. In: Vários autores (org),Temas em psico-oncologia.São Paulo: Summus, 2008.

MELMAN, J. Família e doença mental: repensando a relação entre profissionais de saúde e familiares. São Paulo: Escrituras, 2001.

MENEZES, C. N. B; PASSARELLI, P. M; DRUDE, F. S; SANTOS, M. A; VALLE, E. R. M. Câncer infantil: Organização familiar e doença. Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. 7, p. 191-210. 2007.

MORAES, M. C. O paciente oncológico, o psicólogo e o hospital. In: Carvalho, M. M, M. J. Introdução à Psiconcologia. São Paulo: Editorial PsyII, 1994.

NEME, C.M.B. Psico-oncologia: caminhos, resultados e desafios da prática. In: Psico-oncologia: caminhos e perspectivas. São Paulo: Summus, 2010.

PEÇANHA, Dóris Lietj Nunes. Câncer: recursos de enfrentamento na trajetória da doença a difícil trajetória. In CARVALHO, V. A. (Org.). Temas em Psico-oncologia. São Paulo: Summus, 2005.

SIMONETTI, A. Manual de Psicologia Hospitalar: o mapa da doença. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

SAMPAIO, A.S; LOHR, S.S. Atuação em casas de apoio: pensando o papel da psicologia e construindo novos caminhos. RUBS, p. 54-62, 2008.

SAWADA, N.O; NICOLUSSI, A.C; OKINO, L.O; CARDOSO, F.M.C; ZAGO, M.M.F. Avaliação da Qualidade de Vida de Pacientes com Câncer submetidos a Quimioterapia. São Paul: Rer. Esc. Enferm. USP, 2009.

VEIT, M. T.; CARVALHO, V. A. Psico-Oncologia: um novo olhar para o câncer. O Mundo da Saúde. 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 de set. 2021.




DOI: https://doi.org/10.18571/acbm.206

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Acta Biomedica Brasiliensia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.