CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA

Luiz Humberto Rodrigues SOUZA, Ione Fogaça SANTANA, Selma Santana JESUS

Resumo


O envelhecimento está associado com as mudanças morfofuncionais que influenciam nas alterações da capacidade funcional (CF) das pessoas idosas. O objetivo desse estudo foi avaliar a CF de idosos residentes em uma instituição de longa permanência, bem como verificar a sua associação com algumas características sociodemográficas e alguns aspectos da saúde física. Trata-se de um estudo transversal. A amostra foi constituída por 32 idosos (♀ = 18; ♂ = 14), com idade igual ou superior a 60 anos, residentes em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI) no município de Guanambi/BA. Os dados sociodemográficos, aspectos da saúde física e a capacidade em desenvolver as atividades básicas e instrumentais da vida diária foram registrados em uma anamnese. Foi utilizado o teste do Qui-Quadrado (X2) para se observar as possíveis associações entre as variáveis. Observou-se prevalência do sexo feminino (56,2%); a idade média dos voluntários foi de 76,43 ± 10,73 anos. O grau de dependência funcional dos idosos não apresentou associação com o sexo, faixa etária, dados sociodemográficos e indicadores de saúde física (p > 0,05). A maioria dos voluntários desse estudo foi considerada semidependente para a realização das atividades básicas e instrumentais da vida diária. Portanto, sugere-se que a inserção de intervenções terapêuticas, como o exercício físico, na rotina dos idosos institucionalizados possa minimizar o efeito de alguns fatores deletérios que influenciam na CF. Assim, é possível que a autonomia e independência dessas pessoas sejam preservadas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18571/acbm.144

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Acta Biomedica Brasiliensia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.