SINERGISMO IN VITRO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE PRALIDOXIMA E SULFONAMIDAS NA REATIVAÇÃO DA ACETILCOLINESTERASE HUMANA RECOMBINANTE INIBIDA POR PARAOXON

Rômulo Santiago de Lima GARCIA

Resumo


 

Foi realizada a avaliação da capacidade de reativação da acetilcolinesterase humana recombinante inibida previamente com solução de Paraoxon 2 µM diante de pralidoxima em solução a 100 µM em associação com onze derivados de sulfonamida em solução a 100 µM em dimetilsulfóxido, a saber, N-(2-clorofenil)benzenossulfonamida, N-(4-fluorofenil)benzenossulfonamida, N-(4-fluorofenil)-4-nitrobenzenossulfonamida, 4-cloro-N-(4-fluorofenil)benzenossulfonamida, N-(3-clorofenil)benzenossulfonamida, N-(3-cloro-2-metilfenil)benzenossulfonamida, 4-cloro-N-fenilbenzenossulfonamida, N-(2-clorofenil)-4-metilbenzenossulfonamida, N-(3-clorofenil)-4-metilbenzenossulfonamida, N-(2-hidroxietil)-4-metil-N-fenilbenzenossulfonamida e /N-(4-nitrofenil)benzenossulfonamida.  É a primeira vez que estes derivados de sulfonamida são apresentados em associação com a pralidoxima como potenciais agentes terapêuticos para o tratamento da intoxicação por compostos organofosforados.   Todas as associações avaliadas demonstraram capacidade de reativar a acetilcolinesterase humana recombinante previamente inibida por paraoxon nas doses avaliadas.  As moléculas com maior potencial de reativação da atividade da acetilcolinesterase em associação com a pralidoxima foram N-(2-clorofenil)benzenossulfonamida e N-(4-fluorofenil)benzenossulfonamida.

 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18571/acbm.131

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Acta Biomedica Brasiliensia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.